Ir para o conteúdo

Notícias

O campo movido a energia solar - Banner

O campo movido a energia solar

A luz do sol jamais foi tão imprescindível quanto nos últimos anos nas fazendas do país. Isso porque tem se espalhado pelas propriedades brasileiras, pequenas ou grandes, um novo componente: o sistema de produção de energia solar por placas fotovoltaicas. Dos 2,8 mil megawatts de potência instalados de energia solar fotovoltaica no país, 15,8 megawatts já são utilizados por produtores rurais, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).

A tecnologia vem para se juntar à onda de sustentabilidade no setor agrícola. Isso porque se trata de eletricidade limpa, renovável e de baixo impacto ao meio ambiente. Além disso, trata-se de uma importante saída para diminuir, ou mesmo zerar, os custos de eletricidade nas propriedades rurais, havendo, inclusive, a possibilidade de a energia não utilizada ser convertida em créditos junto à concessionária, que depois são abatidos da conta de luz.

O dimensionamento do sistema depende da economia que se pretende obter na conta de energia, sendo que o valor do investimento pode variar de R$ 15.000 para uma pequena casa, a R$ 100.000 para propriedades maiores.

As placas fotovoltaicas podem ser instaladas rapidamente em telhados, sobre os galpões ou em solo. Quando os raios solares as atingem, elas passam a produzir energia a partir de um dispositivo chamado inversor. As baterias ficam encarregas de armazenar esta energia que gradativamente será utilizada para ligar aparelhos na residência ou no campo, sejam eles ordenhadeiras, motores ou aparelhos eletrônicos.

Esta solução tem sido uma ótima opção no campo, até mesmo pela precariedade das instalações de energia nas zonas rurais. Com a geração fotovoltaica, não há perigo de queda do fornecimento como acontece pela rede convencional. Os custos de operação e manutenção são muito baixos e evolvem a limpeza dos painéis de 2 a 3 vezes por ano. Além disso, a garantia para equipamentos de primeira linha é de 25 anos, o que torna o sistema um investimento seguro e rentável, havendo linhas de crédito específicas nos bancos.

“O mito de que a energia solar fotovoltaica era cara já caiu por terra”, diz Ronaldo Koloszuk, presidente do conselho de administração da Absolar. “Ela virou uma das fontes renováveis mais competitivas do Brasil, com retorno sobre o investimento entre três e sete anos.”

____________________________________________

Fontes:

Voltar ao topo