Ir para o conteúdo

Notícias

A importância da microbiologia do solo - Banner

A importância da microbiologia do solo

Você sabia que um único grama de solo tem mais de 10 mil espécies diferentes de microrganismos, cerca de 1 bilhão de bactérias e 100 mil fungos, além de arqueias, algas, protozoários, vírus e parasitas. Pouco se conhece sobre a relação desta microbiota com os sistemas produtivos. Para se ter uma ideia, estima-se que menos de 10% da vida existente no solo seja conhecida. Trata-se, de fato, de um universo incrivelmente rico e pouco explorado.

Os microrganismos são de grande importância, pois atuam em várias frentes: na formação do solo, na ciclagem de nutrientes e na degradação de poluentes, na fixação biológica do nitrogênio, além de serem responsáveis pelo controle biológico de doenças e pragas, minimizando os custos e necessidade de aplicação de defensivos. Quanto menor a diversidade microbiana, menor será a qualidade do solo e a sua “saúde”, tornando-o frágil e suscetível a processos degradativos e à incidência de pragas e doenças. Já ao contrário, quanto mais alta a diversidade, maior será a resiliência e fertilidade deste solo.

Quando pensamos no contexto da agricultura, não podemos nos limitar em apenas retirar do solo seus nutrientes, mas também em proporcionar um ambiente que seja propício aos microrganismos que vivem nele, garantindo um sistema de produção de qualidade e ao mesmo tempo ecologicamente sustentável. A agricultura está diretamente ligada à atividade destes microrganismos presentes no solo, pois eles são decompositores de restos vegetais e animais, para assim transformá-los em gases e elementos minerais capazes de serem utilizados por outros organismos, ajudando na produção de matéria orgânica e sendo eficientes para a formação de um solo fértil.

A multiplicidade e a abundância destes organismos são favorecidas por práticas de manejo que estimulem uma maior variedade de plantas, como, por exemplo, a rotação de culturas; e o menor revolvimento de solo, como o plantio direto e os sistemas agroecológicos de produção.

____________________________________________

Fontes:

Voltar ao topo