Ir para o conteúdo

Notícias

A era das máquinas autônomas chega aos campos - Banner

A era das máquinas autônomas chega aos campos

Lembram-se do filme Interestelar, do diretor Christopher Nolan? Lançado em novembro de 2014, ele conta a saga de uma equipe de cientistas e astronautas em busca de um novo planeta para a humanidade morar. Num futuro distante, enquanto a agricultura entrava em colapso por toda a Terra, o protagonista do filme, que é produtor rural, podia contar com uma boa ajuda: as máquinas agrícolas autônomas.

Voltando para os tempos atuais, a ficção tem se tornado cada vez mais real e hoje os veículos autônomos são uma das principais tendências para a agricultura nos próximos anos. Esse tipo de trator é programado para realizar suas tarefas agrícolas, se locomover, decidir a sua velocidade e evitar obstáculos sem a presença de um humano dentro de sua cabine. Essas máquinas conseguem trabalhar dia e noite, quase que sem interrupção, tarefas que levariam dias para serem feitas.

Um bom exemplo disso são os pulverizadores autônomos, já que seus sensores identificam as plantas daninhas e aplicam a quantidade certa de herbicida no lugar exato, reduzindo o gasto com o produto e aumentando a eficácia no controle. Estes veículos também surpreendem no quesito segurança, uma vez que são capazes de distinguir pessoas, animais e outros elementos com suas câmeras e sensores, reduzindo, assim, a chance de acidentes em comparação com um trator convencional operado por uma pessoa.

O fato é que a mais alta tecnologia está ganhando cada vez mais espaço no campo. Exemplos não faltam de máquinas e robôs no trabalho agrícola. O barateamento de sensores e a análise de dados por inteligência artificial estão dando asas a projetos inovadores, como o FarmBot, um esperto robô que consegue plantar e monitorar mais de 30 espécies diferentes de hortaliças, realizando sozinho o controle de plantas daninhas e a irrigação necessária para atender à demanda das plantas por água.

Já na pecuária de leite, hoje já existem máquinas totalmente robotizadas que permitem que os animais sejam ordenhados em qualquer momento do dia, com monitoramento da qualidade do leite, redução do stress do rebanho e mais higiene. Os braços mecânicos do equipamento realizam a limpeza e a desinfecção dos tetos para, em seguida, identificar o local exato onde a teteira deve ser encaixada. O sistema mede o volume de leite obtido e monitora a presença de diversas substâncias, ao mesmo tempo em que calcula e já serve a alimentação para a vaca de acordo com o seu peso.

Sejam bem-vindos ao futuro!

____________________________________________

Fontes:

Voltar ao topo